Série III

 

Um ano após o lançamento do Range Rover (ocasião em que a Land Rover investiu grande soma de capital), surge o Série III.

Tendo poucas modificações visíveis com relação ao Série IIA (grade em plástico injetada, buraco lateral para entrada de ar forçada na cabine e novo painel em plástico), mas com modificações profundas mecânicas (4 marchas sincronizadas, melhor suspensão traseira e acabamento mais esmerado) o Série III foi produzido na Inglaterra até 1.983, na Espanha (através da fábrica SANTANA) até 1.994 (conhecido como Série IV) e na África do Sul até o final dos anos 80 (conhecido como Série IIIS).

Com motores gasolina e diesel de 4 cilindros (2.286 cm3) e de 6 cilindros (2.625 cm3) os Série III foram produzidos com distância entre eixos de 88" (conhecidos como SWB - Short Wheel Base) e de 109" (conhecidos como LWB - Long Wheel Base).

Em 1.979, em um esforço para modernizar sua linha, o Série III LWB ganhou uma versão com motor V8 (3.528 cm3), que equipava o Range Rover, com algumas modificações para diminuir sua potência máxima, tendo também herdado a mesma caixa de transferência (4x4 permanente com diferencial central), sendo o primeiro utilitário da marca a possuir esta opção.

Conhecido como Stage I V8 (referência a um grande investimento feito em mais de uma etapa na fábrica), este veículo tem grande procura na Inglaterra, devido a seu alto desempenho em trilhas e também fora delas, graças à potência de seu motor.

Apesar de existirem diversos protótipos (depois vendidos pela fábrica, atualmente nas mãos de colecionadores) de veículos Série III Stage I V8 com 88", este modelo nunca foi produzido, provavelmente devido a problemas da relação peso/potência e freios (os Série III utilizavam freios a tambor nas 4 rodas).

O modelo Série IV era basicamente um Série III com poucas modificações (molas parabólicas nos dois eixos, parabrisas não bipartido e freios a disco no eixo dianteiro).

O Série IIIS utilizando motores fabricados localmente (África do Sul) era baseado no Stage I V8, podendo ser encontrado nas versões a gasolina (R6 - 6 cilindros) ou diesel (Perkins - 4 cilindros).

O Série III, assim como todos os Land Rover, ajudaram muito, em sua longa vida, a firmar a imagem da fábrica pelo mundo, tendo sido usados na famosa prova "Camel Trophy" uma única vez, em 1.983, realizado no Zaire.

Alguns veículos utilizados nesta prova continuam a fazer trilhas pelo mundo afora ainda hoje, em mãos de colecionadores e entusiastas da marca e do evento (existe atualmente mais de um clube de proprietários de veículos Land Rover que participaram do Camel Trophy no mundo).

Com poucas unidades presentes no Brasil (nesta época a importação de veículos era proibida ou proibitiva), e em sua grande maioria LWB, o Série III era o veículo predileto das missões religiosas no Norte e Nordeste do país, sendo que muitos dos existentes até hoje eram provenientes de doações feitas pelo governo da Inglaterra.

O Série III foi sucedido, em nome, pelo 110" em 1.983 e pelo 90" em 1.984.